31 de janeiro de 2013

Livros

“ A Paixão das Origens ”, o livro que traz de volta Alberto Sampaio



Esta não é uma fotobiografia qualquer, é uma recordação e invocação de quem, de forma pioneira, lançou as bases do conhecimento da nossa realidade”, salientou o autor do prefácio, Guilherme de Oliveira Martins explicando que a obra de Alberto Sampaio é um “desafio e apelo forte para que a universidade possa rever o seu papel”.
Alberto Sampaio, escritor e historiador português (1841-1908) tornou-se num contributo para o conhecimento da realidade histórico-social dos últimos séculos.

Foi pelas 18:30 que o Auditório BNP recebeu o Presidente da Fundação Cidade de Guimarães, João Serra, o Reitor da Universidade de Lisboa, António Sampaio da Nóvoa, Guilherme de Oliveira Martins, e os autores Emília Nóvoa Faria e António Martins.

António Sampaio completou as palavras de Guilherme de Oliveira Martins e sublinhou a importância do Manifesto dos estudantes da Universidade de Coimbra (1862) levado a cabo, entre outros, por Alberto Sampaio.
Um Manifesto que se “dirige ao país e tem uma dimensão de ruptura e provocação intelectual, que nos obriga a pensar em Portugal e na maneira como nos situamos face ao país”.

Uma reflexão que, acredita, deve ser feita nas universidades, em particular na área de Humanidades, sobre a produção escrita.
António Sampaio explica que o valor que Alberto Sampaio dava ao tempo, na sua relação com a escrita, é “muito diferente” daquele que nós lhe atribuímos hoje em dia. “Hoje em dia nas universidades somos obrigados a escrever e fazemo-lo numa escrita muito conjuntural, o que não nos permite pensar numa longa duração com o país”.
Alberto Sampaio, pelo contrário, passou de uma escrita mais narrativa, mais centrada, para uma que procura as dimensões mais estruturais e “só mais tarde é que isso se torna importante para a historiografia”.

A autora do livro, Emília Nóvoa, agradeceu à Biblioteca Nacional a possibilidade de divulgar este trabalho no Sul e falou sobre o título, as fontes e a perspectiva da obra. “Entre as grandes preocupações do espírito humano a questão das origens tem sido e será sempre uma das mais culminantes”, citou, justificando a escolha do título através de palavras de Alberto Sampaio.

Explicou ainda que grande parte das imagens e documentos seleccionados para a fotobiografia, foram obtidos através do Arquivo da Casa de Boamense, que pertence à família do historiador, e do Fundo Documental de Alberto Sampaio, em Vila Nova de Famalicão.
A investigação foi também feita noutros arquivos, bibliotecas e instituições culturais de âmbito regional e nacional.

O livro “segue uma abordagem temática sem nunca perder as balizas cronológicas” e por isso apresenta-se dividido em seis capítulos que nos revelam o percurso de vida de Alberto Sampaio e nos mostram a construção da sua personalidade e da sua obra.

António Martins, também autor do livro, preferiu tecer considerações sobre a acessibilidade da obra de Alberto Sampaio. “Como se pode justificar a grande dificuldade no acesso, do grande público, à sua obra?” Alguns escritos permanecem inéditos, “limitados a algumas bibliotecas do país, alguns só disponíveis num alfarrabista ou em leilão, e outros sem qualquer tipo de distribuição no mercado livreiro”. Sem meias palavras, terminou o seu discurso. “Esperemos que o lançamento deste livro, motive uma editora comercial a colmatar estas lacunas”.

Um livro que traz de volta o pensamento de Alberto Sampaio, muitas vezes deixado na penumbra. O historiador formou-se em Direito na Universidade de Coimbra e foi amigo íntimo de Antero de Quental, com quem viajou por diversos países.
Viagens que lhe permitiram estudar a fundo as civilizações primitivas do noroeste de Portugal e aspectos da economia do país.
A obra “Estudos Históricos e Económicos”, uma colectânea de investigações, foi o seu ex-libris.

Nenhum comentário:

Postar um comentário