30 de novembro de 2012

 


Antonio Canova, Eros e Psiche
A boca


A boca,
onde o fogo
de um verão
muito antigo cintila,
a boca espera
(que pode uma boca esperar senão outra boca?)
espera o ardor do vento
para ser ave e cantar.

Levar-te à boca,
beber a água mais funda do teu ser
se a luz é tanta,
como se pode morrer?




Eugénio de Andrade

Nenhum comentário:

Postar um comentário